Reflexões

Muito além do Big Data

0

Lendo esse artigo do consultor e especialista em RH Carlos Prado, comecei a refletir sobre a quantidade de dados que cada pessoa gera todos os dias e a miopia dos gestores em enxergar o que as pessoas estão dizendo sem dizer, saca?

0 (1)

Acredito que o Big Data vai sim tornar as decisões de líderes mais embasadas, porém é bom lembrar que o big data começa a ser coletado a partir do momento que os líderes estão realmente conectados com seus colaboradores, assim como você deve estar conectado com a pessoa que divide a vida com você.

Para ficar mais fácil, darei alguns exemplos práticos de como a liderança pode usar o big data orgânico (cérebro + empatia + paixão em desenvolver os colaboradores) fazendo algumas analogias e contrapontos com o artigo do Carlos Prado:

Predição de Turn Over: Se o líder mantém uma comunicação clara e honesta com cada liderado, dificilmente será o último a saber quando o colaborador quiser deixar a organização. As pessoas vão embora antes de efetivamente ir embora da empresa, assim como um namoro acaba antes de acabar de verdade, não é?

Palavras-chave: Ouvir e mentorar

 

Avaliação de desempenho (substituição do modelo 9 box) — A avaliação de desempenho no modo humano, se dá através do líder entregando recursos (mentoria + ensinamentos + permissão para errar + confiança) para os colaboradores. Além disso é essencial que o líder saiba exatamente o que motiva cada um, assim os modelinhos padrão de avaliação de desempenho caem por terra e foca-se muito mais no potencial, atitude e resultado singular de cada membro da equipe.

Palavras-chave: Permita o erro / Confie antes de desconfiar / Combine com cada um sobre os resultados esperados

 

Agrupamentos ou separação — Formação de Equipes por “n”características: O líder deve deixar livres as pessoas que respondem para ele. O primeiro passo é parar de chamar as pessoas de “meus” colaboradores. Não, eles não são suas pessoas lembrem-se disso. Se o líder sabe as características de cada colaborador, é fundamental que ele os ajude a encontrar o seu caminho. Às vezes alguém que não está feliz em tal função só precisa ter uma chance de conhecer como é o trabalho em outro departamento e o líder deve incentivar isso se perceber que a pessoa ainda quer continuar na organização. Nota: A Zappos, (empresa modelo em motivação no trabalho), paga dois mil dólares para que os novos colaboradores deixem a empresa após o treinamento de um mês. FICA QUEM QUER E NÃO QUEM PRECISA

Palavras-chave: Você não é dono de ninguém / Incentive as pessoas a buscarem aquilo que as fazem felizes / Para você que é gestor(a): Busque transformar o colaborador no diretor que você mesmo acha que merece.

E aí, quem aqui tem pensamentos parecidos ou diferentes fale agora ou corra o sério risco de continuar apenas consumindo dados que as outras pessoas geram.

Equipe Happynn

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s